Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

O presidente Jair Bolsonaro (PL) chamou, durante sua entrevista à Rádio Guaíba na terça-feira (2), o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, de ”criminoso”.

Pouco depois, Barroso rebateu o comentário em suas redes sociais, dizendo que “mentir precisa voltar a ser errado” e chamando Bolsonaro de “mau perdedor”.

“Mentir precisa voltar a ser errado de novo. Compareci à Câmara dos Deputados, como presidente do TSE, para debater o voto impresso, atendendo a três convites oficiais. E foi a própria Câmara que derrotou a proposta de retrocesso. Mas sempre haverá maus perdedores”, respondeu o ministro em seu Twitter.

O caso levantado pelo presidente aconteceu em 2021, quando Barroso – que na época era presidente do Tribunal Superior Eleitoral – se reuniu com líderes partidários durante o período de tramitação da PEC do Voto Impresso. O chefe do Executivo foi o responsável pela proposta, que chegou a ser avaliada na Câmara dos Deputados, mas não atingiu o número de votos necessários para ser aprovada.

“Ele era presidente do TSE, foi para dentro do Parlamento e se reuniu com uma dezena de líderes e, no dia seguinte, vários líderes trocaram os integrantes da comissão de modo que eles votaram contra a PEC do Voto Impresso. Foi para o plenário, nós ganhamos, mas não conseguimos 308 votos [para aprovar a PEC]. Perdemos”, declarou Bolsonaro, em tom de acusação.

“Então foi uma interferência direta do Barroso dentro do Congresso Nacional para não aprovar o voto impresso, uma interferência política, um crime previsto na Constituição. O Barroso é um criminoso”, disparou.


Paola Tito

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.