Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

Um dos suspeitos de participação no assassinato do indigenista Bruno Pereira, 41, e do jornalista britânico Dom Philips, 57, no Amazonas, entregou-se à polícia de São Paulo nesta quinta-feira (23). Trata-se de Gabriel Pereira Dantas, que se apresentou à Polícia Militar, foi levado ao 2º Distrito Policial da cidade e acabou preso em seguida.

Segundo a polícia, ele admitiu participação no crime. Em seguida, gravou vídeo no qual aponta o seu papel em 5 de junho, data em que Bruno e Dom foram assassinados.

Ele diz que apenas ajudou a pilotar o barco dos criminosos -Dantas nega que tenha atuado diretamente tanto nos tiros contra Bruno e Dom como na ocultação dos corpos na mata. “Eu só fiz tirar [os dois corpos do barco], eu fiquei no desespero.”

Dantas agora será encaminhado para a guarda da Polícia Federal, responsável pela apuração do caso, ao lado da polícia do Amazonas.

O crime jogou pressão sobre o governo Jair Bolsonaro (PL) por evidenciar o cenário de conflito ambiental na Amazônia e de insegurança de lideranças que atuam na defesa de indígenas.

Até o momento, quatro pessoas foram presas por envolvimento no duplo homicídio. Três confessaram participação: além de Dantas, Amarildo Oliveira, conhecido como Pelado, e Jefferson da Silva Lima (o Pelado da Dinha).

O quarto suspeito de envolvimento direto nas mortes, Oseney Oliveira (o Dos Santos), nega. Apesar disso, investigadores dizem que uma testemunha o colocou na cena do crime.

Além deles, outras quatro pessoas já foram identificadas. De acordo com os investigadores, elas auxiliaram na ocultação dos cadávares.

O avanço das buscas levou a uma confissão de Pelado na noite do dia 14, segundo informação divulgada pela PF. Pelado, então, foi levado ao local das buscas no dia 15 para identificação da localização da vala onde os corpos foram enterrados.


Avatar

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.