O ex-assessor de Flávio Bolsonaro Fabrício Queiroz disse que “quer ver” Jair e Flávio Bolsonaro não apoiarem sua candidatura. Em entrevista ao podcast Mais Ou Menos, Queiroz pontuou também que será “um absurdo” não receber o apoio da família presidencial.

Queiroz foi investigado por suspeita de comandar um esquema de desvio de dinheiro no antigo gabinete de Flávio na Assembleia do Rio.

Quando questionado se de fato receberia o apoio, o ex-assessor de Flávio, contudo, disse que não sabia a resposta ainda: “Eu quero que vocês perguntem isso a eles. Eu quero ver eles dizerem que não vão me apoiar. Qualquer lugar que eu vou me perguntam se eles vão me apoiar, e eu digo que é um absurdo se eles não me apoiarem. Eu sou bandido? Não, eu sou o Queiroz, pai de família, trabalhador”.

O ex-assessor vem tentando forçar nas redes sociais, com montagens e fotos antigas dele com o presidente e Flávio, que tem o apoio da família. Contudo, Flávio e Bolsonaro vêm dizendo que não irão apoiar a candidatura de Queiroz porque a relação relembra ao eleitorado assuntos negativos.

Queiroz reclama de abandono de bolsonaristas

Suspeito de ser operador do esquema da rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Fabrício Queiroz usou uma rede social para reclamar do abandono dos amigos bolsonaristas. Queiroz publicou uma foto ao lado do amigo, o presidente Jair Bolsonaro (PL), no Maracanã, e com mais três pessoas, entre elas o deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), conhecido como Hélio Negão ou Hélio Bolsonaro.

A imagem foi postada no Facebook em 25 de julho de 2018, mas Queiroz a replicou hoje com o seguinte texto: “É! Faz tempo que eu não existo pra esses 3 papagaios aí! (águas de salsichas) literalmente!!! Vida segue….”.

De acordo com o Ministério Público, o ex-policial ficava com parte dos salários dos funcionários do gabinete de Flávio, na Alerj, quando ele era deputado estadual, e entregava ao parlamentar.

Os outros identificados na foto são Fernando Pessoa, assessor de Flávio Bolsonaro no Senado, e Max de Moura, assessor especial do presidente Jair Bolsonaro.

Um dos seguidores de Queiroz escreveu nos comentários: “Entrega a quadrilha, Queiroz. Os caras te abandonaram aos lobos e agora fingem que nunca fizeram nada de errado”. Queiroz teve a prisão domiciliar revogada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Queiroz disse que pode revelar todas as irregularidades cometidas por Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio caso não receba o apoio de Bolsonaro à sua candidatura. ‘Exijo respeito. Posso contar em detalhes o que essa quadrilha fazia na Alerj’, afirmou.