O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, afirmou que o valor da Corte não pode ser medido por uma pesquisa, após levantamento do instituto Datafolha mostrar que a maioria da população reprova a atuação do Supremo.

“Valor de um tribunal não pode ser aferido em pesquisa de opinião”, afirmou Barroso em entrevista à CNN Brasil.

O ministro destacou que o Supremo trata de “questões que dividem a sociedade”, tópicos aos “quais existem desacordos morais razoáveis”, o que explicaria a alta reprovação da Corte.

Barroso também reiterou que o STF desagrada “grupos poderosos” da sociedade ao resguardar e interpretar a Constituição

“Sejam grupos econômicos, seja o governo, sejam ambientalistas, sejam agricultores ou sejam indígenas. O arranjo constitucional brasileiro faz com que cheguem ao judiciário as questões mais divisivas da sociedade brasileira. E nós precisamos decidi-las”, disse Luís Roberto Barroso, presidente do STF.

Datafolha aponta insatisfação com o STF

No sábado (9), o Instituto Datafolha apontou que 38% dos brasileiros reprovam a atuação do STF, e outros 27% aprovam o trabalho da Corte. 31% considera regular a atuação dos ministros.

Conforme o Datafolha, a percepção do Supremo na sociedade piorou em relação ao levantamento feito em dezembro de 2002, quando houve empate no índice de aprovação e de reprovação — à época, 31% aprovavam e o mesmo percentual reprovavam a Corte máxima do judiciário brasileiro.

O Datafolha também apontou que a parcela da população que mais reprova o STF é aquela que se identifica com o bolsonarismo — o Supremo é responsável pela investigação de inquéritos que envolvem o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A Corte e os ministros também foram alvos de reiterados ataques do ex-mandatário.


Avatar