Por Mauro Ferreira

MEMÓRIA – 60 anos de estrada. O título do álbum audiovisual que será gravado ao vivo por Chrystian em 29 de janeiro – em show no Teatro Bradesco, na cidade de São Paulo (SP), que terá participações de Renato Teixeira, Sérgio Reis e da dupla Maria Cecília & Rodolfo – pode soar exagerado ou midiático, uma vez que o artista goiano acabou de completar 67 anos em novembro. Mas faz jus à trajetória artística do cantor e compositor nascido em 1956 com o nome de José Pereira da Silva Neto.

É que Chrystian começou a cantar ainda na infância, primeiramente acompanhando os pais em serestas e depois, com seis anos, se apresentando em clubes de Goiânia (GO) quando ainda era conhecido como Zezinho.

Quando já morava em São Paulo (SP), Zezinho virou José e, depois, José virou Chrystian, intérprete de baladas lacrimosas veiculadas em trilhas de novelas da TV Globo. Era a época em que alguns cantores brasileiros criaram identidade artística norte-americana para tentar ganhar projeção em mercado fonográfico dominado por músicas estrangeiras, sobretudo em inglês.

José foi na onda e se deu bem ao longo dos anos 1970. Como Chrystian, gravou singles e dois álbuns naquela década, emplacando hits noveleiros como Don’t say goodbye (Paul Bryan, Jim Saloman e Chrystian, 1973) e You’re so tender (Clint Walker e Jan Willen, 1976), baladas amplificadas em cenas das novelas Cavalo de aço (TV Globo, 1973) e Duas vidas (TV Globo, 1976 / 1977), respectivamente.

Tears (1974) foi outro sucesso do artista. Nesse estilo choroso, em inglês, o último hit do cantor foi Lies, canção apresentada em single editado em novembro de 1979.

A partir de 1983, o cantor migrou para o universo sertanejo ao formar a dupla Chrystian & Ralf com o irmão Ralf Richardson da Silva. A dupla se separou em 2000, se reuniu em 2001 e se desfez – ao que parece, definitivamente – em 2021, legando sucessos autorais como Chora peito (1986) ao cancioneiro sertanejo.

Toda essa estrada será repisada por Chrystian no show solo que irá eternizar em gravação audiovisual.


Avatar