Essa foi a decisão do Conselho Geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE/MG) reunidos na manhã desta terça-feira (14/11/23), em Belo Horizonte, com plenário lotado. Cerca de mil trabalhadores/as vindos de todas as regiões do Estado levantaram a voz para dizer que o Regime de Recuperação Fiscal, projeto do governo do Estado, em tramitação na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), não interessa e traz prejuízos para a população.

A categoria está cada vez mais disposta a fazer o enfrentamento, tanto quanto for necessário, para impedir a votação e a aprovação do PL 1.202/19 na Assembleia Legislativa. Neste sentido, trabalhadores/as em educação estarão hoje, mais uma vez, a partir das 14h, na ALMG, para acompanhar audiência pública na Comissão de Administração Pública, com a presença de secretários do governo Zema.

A educação se manterá mobilizada e em luta até derrotar, de vez esse projeto. O calendário aprovado prevê, ainda, mobilizações da categoria no interior do Estado, com diálogo permanente da educação junto aos parlamentares e muita pressão em suas bases eleitorais. O recado dado é um só: *Deputado estadual, preste muita atenção: se hoje votar sim, amanhã diremos”.

A coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Denise Romano, destacou a força da categoria, que tem se mostrado aguerrida e presente na ALMG onde o projeto do RRF já foi, por sete vezes, barrado nas comissões. “Estamos, juntos e juntas, com categorias de outras 24 entidades representativas do funcionalismo e vamos derrotar esse projeto que congela por 9 anos os salários da educação e de todos os servidores públicos.”

Presentes no Conselho Geral do Sind-UTE/MG, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de MG (Sintect/MG), Robson Silva, o presidente da Central Única (CUT/MG), Jairo Nogueira, trouxeram palavras de apoio e reforço à luta da educação.

Desespero privatista

Zema está desesperado e o secretariado dele tem falado em entrevistas na grande imprensa que o único acordo que ele aceita com o Governo Federal é a isenção total da dívida. Mas sabemos qual é a sua intenção com o Regime de Recuperação Fiscal. Além de vir para cima dos funcionários públicos, com 9 anos sem reajuste, sem concurso, trazer as OSs para a educação e a saúde, ele quer vender a Cemig e a Copasa. Por isso precisamos destruir o projeto político do Zema”, disse Jairo Nogueira, presidente da CUT/MG.

Calendário Aprovado

20/11 – participação na Comissão de Constituição e Justiça da ALMG (CCJ), de audiência e denúncia dos projetos de Zema que atacam a educação no interior. Destaque para as atividades e protestos do Dia da Consciência Negra. Nesta data, a categoria vai levar, em cada região, a pauta da denúncia ao Plano de Recuperação fiscal.

21 e 22 de Novembro – greve de 48h e vigília permanente na Assembleia, com várias ações de resistência ao projeto do RRF.

FotoStudium/VeraLima


Avatar