Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

O Brasil deverá passar por uma transição que conclui o fim da pandemia de covid-19 para uma endemia, com o avanço da vacinação. Isso significa que o coronavírus vai “conviver com a gente daqui pra sempre”, na avaliação do médico sanitarista José Gomes Temporão.

Entretanto, o que dificulta essa superação no Brasil e no mundo é a desigualdade na vacinação, alerta Temporão, Segundo o ex-ministro da Saúde do governo Lula, os estados brasileiros sofrem muita desigualdade na aplicação da vacina e isso afeta o enfrentamento ao vírus.

De acordo com os dados do consórcio de veículos de imprensa, divulgado no último domingo (27), quase 155 milhões de brasileiros estão totalmente imunizadas, o que representa 72,13% da população total do país.

A dose de reforço foi aplicada em 64 milhões de pessoas, portanto, 29,81% do público. Ainda ontem, o Brasil registrou 206 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 649.195 óbitos.

Temporão explica que o país pode sair de uma situação de “fim de pandemia” e a covid-19 se tornar endêmica, na medida que avança na cobertura vacinal. Desse modo, o número de doentes graves e a letalidade diminuirão.

“O problema é a desigualdade. Em São Paulo, 43% da população tomou a dose de reforço, mas no estado do Pará apenas 12% recebeu a terceira dose. Nós temos uma desigualdade grande dentro do país. Portanto, esse processo de transição será lento e desigual. Sendo otimista, até metade do ano teremos uma grande cobertura vacinal no país e o fim da pandemia se expressar com mais clareza”, afirma, em entrevista ao programa Revista Brasil TVT, da TVT.

Ou seja, as várias desigualdades – entre os países, dentro dos países e entre classes sociais – continuarão sendo um problema.

Desgoverno Bolsonaro

A média móvel de mortes nos últimos últimos dias é de 690 – esse número não ficava abaixo de 700 desde 3 de fevereiro. O médico sanitarista explica ainda que a maioria dos brasileiros que estão morrendo nesse momento são: pessoas muito idosas, quem tem doenças muito graves, crianças sem imunização e os adultos não vacinados.

Apesar disso, avalia, o governo Bolsonaro segue atrapalhando no combate ao vírus.
A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou ao Supremo Tribunal Federal (STF), na última sexta-feira (25), que abriu uma apuração preliminar para analisar se houve atraso intencional, por parte do governo, na inclusão de crianças de 5 a 11 anos na vacinação contra a covid-19.

O procedimento preliminar foi aberto com base em notícia-crime apresentada por deputados federais.

“Inclusive, a morte de crianças é fruto de uma omissão criminosa do governo federal, que adiou e interrompeu a vacinação dos jovens. Como há uma grande desigualdade de cobertura vacinal, nos municípios com menos aplicações de vacinas é onde teremos mais óbitos. Infelizmente, estamos sem ministro da Saúde e coordenação nacional ainda, o que dificulta mais esse trabalho”, criticou Temporão.

Pós-pandemia

Nesta entrevista, Temporão fala também que o suposto “novo normal” será, por isso mesmo, também desigual entre os países. Além da falta de política sanitária, o ex-ministro aponta para o desastre ambiental no país como fator de risco para novas modalidades de vírus.

O ex-ministro alerta ainda para a ausência de uma governança global mais estruturada ante os problemas de saúde e ambientais do mundo. “A velha ordem internacional já está ruindo, mas não temos ainda uma nova ordem. E precisamos ter”, defende.

Temporão admite que em breve os governos locais irão liberar a população do uso de máscaras. Porém, ele acredita, e defende, que as máscaras vieram para ficar.

Fonte: Rede Brasil Atual


Avatar

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.