Nesta terça-feira (5), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Dakovo contra um grupo de traficante de armas baseado no Paraguai. Chefiado pelo argentino Diego Hernan Dirísio, a quadrilha é suspeita de vencer cerca de 43 mil armas para facções criminosas brasileiras, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV).

A operação, feita em conjunto com Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai e com a Homeland Security dos Estados Unidos, cumpriu 25 mandados de prisão preventiva, seis de prisão temporária e 52 de busca de apreensão. Dirísio, considerado alvo principal das forças policiais e maior contrabandista de armas da América do Sul, ainda não foi localizado.

Até agora foram presos cinco suspeitos foram presos no Brasil e 11 no Paraguai. Dentre os detidos pela polícia paraguaia está o General do Ar, ex-comandante da Força Aérea do Paraguai, Arturo Javier González Ocampo. O militar é acusado utilizar sua influência junto ao DIMABEL (Dirección de Material Bélico), órgão militar de controle de armas do país, para facilitar o aparelhamento da instituição pelos criminosos.

A organização criminosa teria movimentado, com as vendas para o Brasil, cerca de R$ 1,2 bilhão. A Justiça da Bahia, que está conduzindo a operação, ordenou pela inclusão dos alvos na lista vermelha da Interpol e também sua extradição para o Brasil.

As armas do grupo foram encontradas em dez estados brasileiros.

O esquema criminoso consistia na compra de armas, como pistolas, fuzis, metralhadores e munições, de países como Croácia, Turquia, República Tcheca e Eslovênia pela empresa IAS, chefiada por Dirísio. As armas, ao chegarem no Paraguai com facilitação junto ao DIMABEL, teriam seus números de série raspados e revendidas a intermediários, que negociavam diretamente com as facções brasileiras.

A investigação começou após autoridades policiais apreenderem quatro pistolas no interior da Bahia. Apesar de estarem com o número de série raspado, por meio da perícia a Polícia Federal conseguiu obter os dados e prosseguir na investigação.


Avatar