A deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, rebateu o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e negou que o partido acredite que “está tudo errado” nas decisões tomadas pela área econômica do governo Lula.

Gleisi disse ser um “direito” do PT criticar as decisões que acredita serem equivocadas. Entretanto, a presidente do PT negou que haja oposição interna na legenda a Haddad. As declarações da deputada foram feitas em entrevista ao jornal O Globo após falas do ministro ao próprio jornal nesta terça-feira (2).

“É um direito do partido e até um dever fazer esses alertas e esse debate, isso não tem nada de oposição ao ministro e nem a ninguém. É da nossa tradição”, afirmou Gleisi Hoffmann.

Presidente do PT negou indireta a ministro. Hoffmann também negou que o documento aprovado pelo PT em dezembro em que destaca a necessidade de o país se libertar do “austericído fiscal” seja indireta a Haddad pela condução à frente da Fazenda. Ela acrescentou que Haddad, ao “empenhar negociações com o Congresso sobre a agenda econômica, talvez não tenha tido a ocasião de letrar integralmente a resolução” aprovada pela sigla.

Haddad rechaçou o documento aprovado pelo PT que fala em “austericídio fiscal”. Ao O Globo, o ministro da Fazenda não citou diretamente Gleisi. “O meu nome não aparece [no documento]. O que aparece é assim: ‘A inflação caiu, o emprego subiu. Viva Lula!’ E o Haddad é um austericida. Então, ou está tudo errado ou está tudo certo. Tem uma questão que precisa ser resolvida, que não sou eu que preciso resolver”.

Gleisi Hoffmann também chamou de “extemporânea” fala de Haddad sobre quem deve ser o sucessor de Lula. “Nós precisamos fazer com que tudo dê certo porque é isso que vai garantir a sucessão, inclusive a reeleição de Lula na próxima eleição. Temos que entregar resultados ao povo brasileiro, foi para isso que a gente elegeu o presidente Lula e fizemos o enfrentamento que fizemos ao longo desse tempo”, completou.


Avatar