A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) no Brasil cresceu 2,1% em outubro, em comparação com o mês anterior, e alcançou os 87 pontos —se aproximando de um cenário econômico positivo, quando o índice chega aos 100 pontos. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (20) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O levantamento mostra que a intenção de consumo entre os brasileiros cresce desde fevereiro, ou seja, por nove meses consecutivos. Em comparação com outubro de 2021, quando o cenário ainda era de incertezas por conta da pandemia de Covid-19, o indicador registrou uma alta de quase 19%.

A melhora no poder de compra das famílias brasileiras é resultado do alívio inflacionário registrado no país, segundo o estudo da CNC. Além da deflação, registrada por três meses consecutivos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a recuperação na intenção de consumo das famílias também é puxada pela retomada do mercado formal de trabalho no Brasil.

As famílias brasileiras mais pobres, que recebem até 10 salários mínimos, foram as que registraram o maior crescimento da intenção de consumo em outubro. O ICF para esse segmento da população teve uma alta de 2,2% no mês analisado. No agregado do ano, a variação para esse grupo de foi 20,4%.
Já as famílias mais ricas, com salários superiores a 10 salários mínimos, registraram uma alta de 1,7% no consumo em outubro deste ano, em comparação com o mês anterior. Para essa faixa de renda, a variação anual foi de 13,7%.

Apesar da melhora no cenário econômico brasileiro, a especialista em economia e coordenadora da pesquisa, Izis Ferreira, afirmou que panorama ainda é instável para os próximos meses.

“A inflação, mesmo em queda, segue dificultando o consumo, e o maior nível de endividamento das famílias também reduz a capacidade futura de compras, especialmente das famílias de renda média e baixa”, aponta a especialista.


Avatar