O julgamento de Donald Trump, que inaugura a marca do primeiro ex-presidente dos EUA a ser réu, passa a ouvir testemunhas e argumentos acusatórios nesta segunda-feira (22), em processo criminal sobre suposta fraude envolvendo pagamentos feitos à atriz pornô Stormy Daniels em troca de silêncio sobre caso extraconjugal. O caso ocorreu na véspera das eleições presidenciais de 2016.

Com o corpo de jurados formados para administrar o processo, o julgamento tem previsão de duração de cerca de um mês. Este é o primeiro de quatro julgamentos em que Trump é réu.

Stormy Daniels e Michael Cohen, ex-advogado de Trump, estão entre as testemunhas-chave do julgamento. Espera-se que David Pecker, editor do tabloide National Enquirer, seja a primeira testemunha de acusação nesta segunda-feira.

Os promotores dizem que Pecker, um amigo de longa data de Trump, se reuniu com o ex-presidente e Cohen na Trump Tower em agosto de 2015 para discutir o uso do National Enquirer para suprimir histórias negativas sobre Trump, comprando direitos exclusivos sobre elas e nunca as publicando.

Pecker e a American Media forneceram aos promotores detalhes sobre o pagamento de Cohen a Daniels após ser intimado por investigadores federais em abril de 2018, segundo os promotores. Mais tarde, Pecker recebeu imunidade em troca de testemunho sobre o conhecimento de Trump em relação ao pagamento.

Stormy Daniels

Daniels, uma atriz de filmes adultos cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford, afirma que teve um encontro sexual com Trump em 2006 e recebeu US$ 130 mil do ex-advogado de Trump, Michael Cohen, por seu silêncio antes das eleições presidenciais de 2016.

Cohen diz que Trump dirigiu o pagamento, e os promotores dizem que Trump classificou falsamente os reembolsos a Cohen como despesas legais. Trump se declarou inocente de 34 acusações criminais de falsificação de registros comerciais.

Trump negou o encontro com Daniels e disse que o pagamento foi pessoal e não relacionado à campanha.

Michael Cohen

Cohen serviu como advogado pessoal e mediador de Trump por mais de uma década, até seu rompimento conturbado, há quase seis anos, quando Cohen enfrentou seus próprios problemas jurídicos pessoais.

O advogado, um alto executivo da imobiliária de Trump antes de se tornar seu advogado, pagou Daniels do próprio bolso por meio de uma empresa de fachada e providenciou para que ela assinasse um acordo de sigilo, segundo os promotores.

Em agosto de 2018, Cohen se declarou culpado de violação da lei de financiamento de campanha por pagar Daniels. Ele foi condenado a três anos de prisão por esse e outros crimes e cumpriu pena por mais de um ano antes de ser solto.

Cohen testemunhou contra Trump no seu julgamento por fraude civil em Nova York no ano passado, dizendo no caso não relacionado que Trump o orientou a inflacionar fraudulentamente os valores das suas propriedades.

Trump nega essas acusações.

Karen Mcdougal

McDougal é uma ex-modelo da Playboy que disse que a American Media, liderada por Pecker, lhe pagou US$ 150 mil em 2016 por sua história sobre um caso de 10 meses que ela diz ter tido com Trump em meados dos anos 2000, informou o Wall Street Journal em novembro de 2016.

Trump nega ter um caso com McDougal e não foi acusado do suposto pagamento a ex-modelo, mas os promotores dizem que seu depoimento dará aos jurados contexto sobre a chamada prática de “pegar e matar” para compra de direitos exclusivos de histórias para escondê-las.

Hope Hicks

Hicks serviu como secretária de imprensa de Trump durante sua campanha presidencial e mais tarde tornou-se sua diretora de comunicações na Casa Branca.

Um mandado de busca não redigido divulgado em julho de 2019 mostrou que Hicks participou de ligações entre Trump e Cohen, onde eles supostamente discutiram os pagamentos de dinheiro secreto, informou a ABC News em julho de 2018.

Donald Trump

Trump disse que planeja testemunhar, o que pode ser arriscado e deixá-lo exposto a um interrogatório por parte dos promotores. Os réus são presumidos inocentes e não são obrigados a depor.

Mas os procuradores devem provar que Trump pretendia infringir a lei para garantir uma condenação, e ele poderia usar o seu testemunho para refutar essa afirmação.

Trump recorre frequentemente às aparições em tribunal para reunir os seus apoiadores, e o candidato republicano poderia usar o espetáculo de tomar posição como o equivalente a uma rodada de campanha na corrida para as eleições presidenciais de novembro nos EUA.


Avatar

administrator