A polícia de Paris atirou e feriu gravemente uma mulher que usava um hijab em uma estação de metrô na manhã desta terça-feira (31), depois que os passageiros relataram que ela gritava slogans jihadistas e se comportava de maneira ameaçadora, informou o governo.

A França está em seu mais alto nível de alerta após o assassinato, em 13 de outubro, de um professor em suposto ataque islâmico, que as autoridades associaram a uma “atmosfera jihadista” ligada à guerra Israel-Gaza.

De acordo com o chefe da polícia parisiense Laurent Nuñez, a mulher ameaçou outros passageiros de um trem gritando “Vocês todos vão morrer”. Ela também gritou “Allahu Akbar”.

A mulher, totalmente encoberta, foi baleada na estação Bibliotheque Nationale de France. Os passageiros haviam relatado anteriormente que ela “estava fazendo comentários agressivos e jihadistas”, disse o porta-voz do governo, Olivier Veran.

Quando a polícia chegou, “eles chamaram a mulher de lado e primeiro pediram que ela se acalmasse e mostrasse as mãos para provar que elas não representavam nenhum perigo em particular”, acrescentou.

O que aconteceu então foi que os policiais não tiveram outra opção a não ser abrir fogo, dado o perigo da situação.”

O serviço de bombeiros, que prestou atendimento de emergência à mulher, disse que ela foi baleada no abdômen e transferida para um hospital próximo.

Veran afirmou que a mulher já havia ameaçado no passado as patrulhas urbanas da Operação Sentinelle, de combate ao terrorismo.

A estação de metrô, na linha RER C, foi esvaziada após o incidente.

Duas investigações foram abertas, uma contra a mulher e outra sobre o uso de armas pela polícia, disse o porta-voz do governo.


Avatar