O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, adicionou os militares de Israel a uma lista global de infratores que cometeram violações contra crianças, disse o emissário de Israel na ONU, Gilad Erdan.

Erdan disse que foi oficialmente notificado da decisão nesta sexta-feira (7). O israelense descreveu a medida como “vergonhosa”.

O Hamas e a Jihad Islâmica também serão listados, disse uma fonte diplomática, falando sob condição de anonimato.

A lista global está incluída em um relatório sobre crianças e conflitos armados que deverá ser apresentado ao Conselho de Segurança da ONU em 14 de junho.

O relatório abrange seis violações – assassinato e mutilação, violência sexual, rapto, recrutamento e utilização de crianças, negação de acesso à ajuda e ataques a escolas e hospitais. Não ficou imediatamente claro quais violações foram listadas por Israel, pelo Hamas ou pela Jihad Islâmica.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, disse que a decisão teria impacto nas relações do país com as Nações Unidas.

Há muito que Israel mantém relações controversas com a ONU, que só pioraram durante a guerra Israel-Hamas na Faixa de Gaza”, disse Katz.

O enviado de Israel disse que foi notificado pelo chefe de gabinete de Guterres e postou um vídeo nas redes sociais da sua resposta à decisão em um telefonema.

“Estou totalmente chocado e enojado com esta vergonhosa decisão do Secretário-Geral”, disse Erdan.

O exército de Israel é o exército mais moral do mundo, por isso esta decisão imoral apenas ajudará os terroristas e recompensará o Hamas”, acrescentou.

O porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric, não quis comentar.

A ONU disse no mês passado que pelo menos 7.797 crianças foram mortas em Gaza governada pelo Hamas durante a guerra de oito meses, citando dados sobre corpos identificados do Ministério da Saúde de Gaza, que a ONU considera confiáveis.

O gabinete de comunicação social do governo de Gaza afirma que no total cerca de 15.500 crianças foram mortas.

De acordo com o Conselho Nacional para a Criança de Israel, 38 crianças foram mortas no ataque liderado pelo Hamas em 7 de outubro que desencadeou a guerra. O departamento ainda afirma que 42 das cerca de 250 pessoas feitas reféns em Gaza em 7 de outubro eram crianças.

Todas as crianças, exceto duas, foram libertadas.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse que o chefe de gabinete de Guterres ligou para Erdan nesta sexta-feira (7) como “uma cortesia concedida aos países recentemente listados no anexo do relatório”.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse em comunicado que a ONU “se adicionou à lista negra da história quando se juntou àqueles que apoiam os assassinos do Hamas”.

O relatório anual de Guterres ao Conselho de Segurança de 15 membros sobre crianças e conflitos armados cobre assassinatos, mutilações, abuso sexual, rapto ou recrutamento de crianças, negação de acesso à ajuda e ataques a escolas e hospitais.

Não ficou imediatamente claro quais violações os militares de Israel foram acusados de cometer.

A lista está dividida em partidos que implementaram medidas para proteger as crianças e partidos que não o fizeram.

O porta-voz israelense disse que foi informado de que Israel foi incluído na lista de partidos que não implementaram medidas adequadas para proteger as crianças.

O relatório foi compilado por Virginia Gamba, representante especial de Guterres para as crianças e os conflitos armados.

A lista anexa ao relatório visa pressionar as partes do conflito a implementar medidas para proteger as crianças.

Na quinta-feira (6), Guterres condenou um ataque aéreo israelense a uma escola da ONU na Faixa de Gaza, segundo o porta-voz Stephane Dujarric.

Israel está retaliando contra o Hamas, que governa Gaza, devido a um ataque de 7 de outubro.

Mais de 1.200 pessoas foram mortas e mais de 250 feitas reféns pelo Hamas, segundo registros israelenses. Acredita-se que mais de 100 reféns permaneçam cativos em Gaza.

Israel lançou um ataque aéreo, terrestre e marítimo ao território palestino bloqueado, matando mais de 36 mil palestinos, segundo as autoridades de saúde de Gaza.

Um porta-voz do presidente da autoridade palestina, Mahmoud Abbas, disse que a decisão da ONU foi “um passo na direção certa para responsabilizar Israel por seus crimes” e que Israel deveria ter sido adicionado há muito tempo.

A medida ocorre nove anos depois de o enviado especial da ONU para crianças e conflitos armados ter recomendado que Israel e o Hamas fossem adicionados à lista de violações durante a guerra de 2014 em Gaza, quando 540 crianças estavam entre os mais de 2.100 palestinos mortos.

O então chefe da ONU, Ban Ki-moon, acabou por não adicionar Israel ou o Hamas à lista de infratores, embora o relatório tenha criticado fortemente Israel durante o conflito de 50 dias.

As forças armadas da Rússia foram adicionadas à lista no ano passado por matar e mutilar crianças na Ucrânia, por ataques a escolas e hospitais e por usar crianças como escudos humanos. A Rússia negou ter como alvo civis desde que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022.

Uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita – listada por matar e ferir crianças no Iémen – foi retirada da lista em 2020, vários anos depois de ter sido nomeada pela primeira vez por matar e ferir crianças no país.


Avatar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *