A operadora da danificada usina nuclear Fukushima-1, no Japão, detectou nesta sexta-feira (1º) a presença de trítio na água do mar na fronteira nordeste do porto adjacente à usina pela primeira vez desde o início do despejo de água contendo trítio radioativo.

A concentração de trítio na água do mar nessa localidade é de dez becquerels (Bq) por litro, que é índice inferior do nível de detecção, segundo a empresa operadora de Fukushima-1, TEPCO. Até o momento, os valores têm estado abaixo desse nível, o que permite à empresa dizer que “é índice inferior do nível de detecção”.

A norma permitida para a concentração de trítio na água potável é de 10.000 Bq por litro. Caso seja registrada uma concentração de 700 Bq por litro, o despejo da água será interrompido, prometeu, por sua vez, a TEPCO.

A concentração de trítio na água do mar em outras localidades em um raio de dez quilômetros da usina permanece inferior ao “nível de detecção”.

Em 24 de agosto, a TEPCO começou a despejar no oceano a água que tinha sido anteriormente utilizada para arrefecer os reatores danificados e depois purificada no sistema ALPS (sistema de purificação de múltiplos núcleos). O sistema a purifica de 62 tipos de radionuclídeos, com exceção do trítio. Essa água é armazenada em tanques gigantes dentro da usina. Até agora, quase 90% de seu volume de 1,37 milhão de toneladas foi preenchido.

A fase experimental de despejo de água durará 17 dias, durante os quais se prevê que sejam liberados 7.800 m³ de água no oceano. O volume total de água liberada da operadora da danificada usina nuclear Fukushima-1, durante o ano fiscal de 2023, que termina em 31 de março de 2024, será de 31.200 toneladas, com uma concentração de cinco bilhões de Bq de trítio radioativo.

Embora a TEPCO e as autoridades japonesas afirmem que o despejo de água no oceano não constitui uma ameaça para o ambiente ou para os seres humanos, a China e vários outros países criticaram fortemente essas ações.

Em particular, a República Popular da China proibiu as importações de todos os produtos da pesca marinha japoneses, reforçando o controle aduaneiro de outros produtos provenientes do Japão. Hong Kong proibiu as importações de produtos marinhos produzidos em Tóquio, Fukushima e oito outras prefeituras.


Avatar

administrator