Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

O cenário de possível vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda no 1º turno das eleições presidenciais deste ano deflagrou uma onda de pessimismo entre aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL). A esperança alardeada no início do ano deu lugar à preocupação de levar a disputa para o 2º turno.

No Palácio do Planalto usa-se uma metáfora: a candidatura à reeleição de Bolsonaro é um barco à deriva e é preciso encontrar uma ilha para ancorar. A ilha, neste caso, é justamente chegar ao 2º turno. Aliados do presidente consideram que, neste caso, a disputa volta a um patamar razoável de igualdade e o cenário pode se alterar a favor do atual chefe do Executivo.

Como mostrou o Poder360, das últimas 6 pesquisas eleitorais, 5 mostram a possibilidade de Lula vencer já em 2 de outubro. Em 2 estudos – Quaest e Datafolha – Lula vence fora da margem de erro já no 1º turno. Outros 3 – XP/Ipespe, FSB e PoderData – indicam empate técnico entre as intenções de voto de Lula com a soma dos percentuais dos demais pré-candidatos, dentro da margem de erro. No Paraná Pesquisas, a distância é maior e haveria 2º turno.

A conjuntura econômica não está favorável a Bolsonaro neste momento. Na avaliação de aliados, faltou sensibilidade ao governo, que demorou a tomar medidas para mitigar o impacto da inflação entre os eleitores mais pobres. De acordo com pesquisa PoderData, realizada de 19 a 21 de junho de 2022, 47% dos eleitores que têm renda familiar de até 2 salários mínimos votam em Lula.

Essa faixa do eleitorado (renda familiar de até 2 salários mínimos) é vital para quem deseja ter sucesso numa disputa presidencial. Hoje, 46% dos eleitores está nessa faixa dos mais pobres.

A pesquisa PoderData mostrou que Lula tem 45% das intenções de voto entre os eleitores que declaram ter recebido alguma parcela no último mês do Auxílio Brasil, programa criado por Bolsonaro para substituir o Bolsa Família.

Já Bolsonaro, tem o apoio de 28% dos beneficiários. Houve um aumento do número de brasileiros que hoje usam lenha para cozinhar, como mostrou o quadro de uma reportagem do Poder360 em 11 de junho de 2022.

O governo agora pretende aumentar a frequência com que paga o chamado vale-gás. Atualmente, o auxílio é de R$ 53 a cada 2 meses. O governo avalia pagar o benefício todos os meses ou dobrar o valor da parcela bimestral. Cerca 5,68 milhões de famílias são beneficiárias do vale-gás. Mas há um problema: o valor de R$ 53 não banca nem metade do preço do botijão de gás.

Está também em estudo oferecer um auxílio a cerca de 900 mil caminhoneiros para mitigar o impacto do aumento dos preços do combustível. Outras categorias, como taxistas e motoristas de aplicativos também podem acabar sendo incluídosna proposta, o que pressionaria ainda mais as contas que a Economia faz para bancar o benefício.

Nos últimos meses, Bolsonaro permitiu a renegociação de dívidas do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) e liberou o saque extraordinário de R$ 1.000 do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Tudo em nome de tentar melhorar a situação econômica para os mais pobres. Nada teve o efeito desejado até o momento.

Há um entendimento no entorno do chefe do Executivo de que os resultados demorarão para chegar às pessoas que mais necessitam. As medidas podem não fazer efeito a tempo de reverter votos antes da realização do 1º turno.

Outro fator que preocupa o atual presidente é a memória que o eleitor tem dos anos de governo Lula. A campanha do petista está explorando exatamente os programas de combate à fome e à extrema pobreza desenvolvidos pelo petista enquanto esteve no comando do Palácio do Planalto (2003-2010).

Políticos experientes avaliam que, se não houver indicações claras até o fim de junho de que a economia vai melhorar, o cenário eleitoral para o presidente pode indicar sua derrota. Mesmo nesse cenário negativo para o Planalto, congressistas da base aliada ao Planalto preferiram fazer campanha nas festas de São João, festejo mais popular do Nordeste e comemorado em 24 de junho.

A PEC (proposta de emenda à Constituição) dos Combustíveis, por exemplo, ficou para ser analisada só na semana que vem no Senado. Na Câmara, o compasso é de espera pelos projetos do governo, mas, ainda assim, as próximas negociações também só devem avançar na próxima semana.

Discurso abalado

A prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, na manhã desta 4ª feira (22.jun), é ainda outro fator que joga água na candidatura de Bolsonaro. O episódio enfraquece o discurso anticorrupção que alavancou a campanha bolsonarista vitoriosa de 2018.

Quando Ribeiro foi afastado depois da revelação que operadores sem cargo no governo e com ligações religiosas com o então ministro negociavam liberação de verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) a troco de propina, Bolsonaro disse que era uma saída “temporária”.

Disse também que botaria “a cara no fogo” em defesa do pastor. Agora, o discurso do chefe do Executivo começou a se adaptar, ainda que não inteiramente. Bolsonaro já disse que Ribeiro é quem “responde pelos atos”.


Avatar

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.