Os efeitos secundários da insolvência do Silicon Valley Bank (SVB) ainda estão sendo sentidos no setor financeiro dos EUA e no exterior.

O cofundador da ProChain Capital, David Tawil, argumenta que embora o sistema não esteja à beira do colapso, uma crise de confiança pode afundar mais bancos.
O setor bancário dos EUA não é fatalmente falho, mas pode sofrer mais choques se a confiança nas instituições não for restaurada.

Questionado se o colapso do SVB seguido de perto por outros dois foi um sintoma de uma crise mais profunda no sistema financeiro dos EUA, David Tawil disse à Sputnik que havia “desafios enfrentados pelo setor bancário”.

Na esteira de tudo o que aconteceu, há ceticismo por parte dos depositantes e investidores”, enfatizou.

O banco é um negócio de confiança“, apontou Tawil. “Você só tem seu dinheiro em um banco com a plena fé de que, se precisar dele, poderá obtê-lo. E essa confiança sofreu um duro golpe nas últimas semanas.”

Em segundo lugar, “o rápido aumento das taxas de juros no ano passado tornou desafiador, para dizer o mínimo, para os bancos seguirem em frente e manterem o valor dos investimentos nos quais colocam o dinheiro dos depositantes”, acrescentou.

Os bancos lucram fazendo empréstimos com o dinheiro de seus depositantes, cobrando uma taxa de juros mais alta do que pagam. Nos Estados Unidos, muitos desses empréstimos são para o governo federal na forma de títulos ou títulos do tesouro.

Mas com o Federal Reserve (Fed) aumentando as taxas de juros em uma tentativa de controlar o aumento da inflação — resultado da crise de COVID-19 e das sanções à Rússia — os títulos emitidos em anos anteriores valem menos do que o preço de compra, pois têm um rendimento de taxa de juros mais baixo.

“Portanto, esses bancos agora têm balanços patrimoniais em que seus investimentos não necessariamente igualam ou excedem em muito os depósitos“, explicou Tawil. “E assim, os depositantes estão preocupados com o fato de que, se quiserem retirar meu dinheiro, ‘se eu for o último da fila, não sobrará dinheiro para mim’.”

Embora não haja “colapso iminente”, o governo federal e o setor financeiro ainda estão “muito preocupados”, disse o especialista em finanças.

Mas um risco para os bancos é que os depositantes decidam sacar seu dinheiro e investir em um “fundo do mercado monetário” lastreado por títulos do governo que atualmente rendem 5% ou 6% ao ano.

Eles são tão líquidos e você não precisa se preocupar com o risco do banco“, ressalta Tawil. “No final do dia, você está ganhando zero no banco. Então, por que você faria isso? É menos sobre o medo dos bancos e é mais sobre apenas dólares e centavos”, afirmou o especialista.

Questionado se o setor financeiro precisava de mais supervisão regulatória, o guru do investimento disse: “Não acho que precisamos de mais policiais. Precisamos dos policiais atuais fazendo seu trabalho”.

O Congresso não está ajudando aqui, realizando audiências e gritando com as pessoas”, disse Tawil. Embora isso tenha gerado “grande destaque para os congressistas, especialmente aqueles que buscam a reeleição”, no final das contas “eles falharam conosco”.


Avatar

administrator