Em nota à comunidade, a UFMG manifestou indignação com o ataque sofrido pelos indígenas Pataxó Hã-Hã-Hãe, no Sul da Bahia, que culminou com o assassinato de Maria de Fátima Muniz, a pajé Nega Pataxó, no último 21 de janeiro. No comunicado, assinado pela reitora Sandra Regina Goulart Almeida, a Universidade também expressou sua solidariedade com o cacique Nailton Muniz Pataxó, a quem concedeu, em outubro de 2022, o título de doutor por Notório Saber, e aos seus estudantes indígenas pertencentes à mesma etnia.

“Expressamos nossa preocupação com a gravíssima situação de violência contra os indígenas Pataxó Hã-Hã-Hãe, que tem se intensificado nos últimos meses. São preocupantes as notícias de que os ataques foram organizados, por meio de mídias sociais digitais, por pessoas e entidades que não apenas desrespeitam continuamente o direito das comunidades indígenas, mas também propagam violência e destruição contra esses povos” diz a nota.


Avatar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *