A ausência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na viagem à China frustrou expectativas de empresários brasileiros que já chegaram ao país asiático e iriam participar dos eventos oficiais com a presença do petista.

A visita de Estado de Lula mobilizou uma megacomitiva com mais de 400 empresários, mas o público esperado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) para participar de um dos seminários com os chineses teve de ser revisto.

Lula adiou sua viagem por causa de uma pneumonia. Nesta segunda, 27, ele permaneceu no Palácio da Alvorada. Em Pequim, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, manteve a agenda.

Os próprios empresários acertaram compromissos privados, como visitas à empresa dona do Ali Express, ao TikTok, entre outras.

Pelo menos uma centena de representantes de empresas brasileiras já tinha chegado à China. “No primeiro momento causou uma surpresa para centenas de empresários que vieram para acompanhar a delegação do Lula. Mas, passado o primeiro impacto, a sensação é de que a agenda tem de seguir”, disse o advogado Gustavo Rabello, que atua no Centro Empresarial Brasil-China.

Fávaro tentou demonstrar que os encontros com autoridades locais seguem, mesmo com a ausência de Lula, mas reconheceu que a visita do presidente ainda é esperada. “Gradativamente vão tendo evoluções (na relação entre os países) até que chegue o dia da vinda do presidente Lula e seu staff”, disse o ministro da Agricultura.

Sem a presença de Lula, as atenções diplomáticas se voltaram para a presidente cassada Dilma Rousseff (PT). Ela chega à China para assumir um cargo de direção no banco dos Brics.

A ex-chefe do Executivo ficará baseada em Xangai. No banco terá de lidar com divergências nas relações com a Rússia. Apesar de fazer parte do Brics, o país está há um ano com transações financeiras bloqueadas com a instituição.


Avatar

administrator