A China divulgou 19 novas medidas para fortalecer sua economia e “garantir o abastecimento de água potável”, enquanto o país continua lutando com sua pior onda de calor em 60 anos e bloqueios rígidos de Covid-19. 

As novas medidas anunciadas pelo gabinete da China na última quarta-feira (24) somam mais de 1 trilhão de yuans (US$ 146 bilhões) em financiamento para melhorar a infraestrutura, aliviar a escassez de energia e combater a seca, incluindo dinheiro para garantir a produção de arroz. 

“A atual recuperação econômica tem uma base fraca”, disse o comunicado, acrescentando que o novo financiamento visa estabilizar a economia. O primeiro-ministro Li Keqiang sediou a reunião do gabinete. 

Pequim tentou impulsionar o investimento e o consumo na segunda maior economia do mundo mais de uma vez este ano. Em maio, o governo anunciou 33 medidas para reativar o crescimento. 

Apesar dessas intervenções, a economia chinesa se deteriorou nos últimos meses por causa de lockdowns contra a Covid-19 e de uma desaceleração cada vez maior do setor imobiliário. 

Os analistas também estão preocupados com o impacto que a onda de calor e a seca recorde da China terão no crescimento. Vários negócios internacionais, incluindo Tesla e Toyota, já enfrentaram interrupções nas fábricas devido a quedas de energia. 

Vários grandes bancos de investimento, incluindo Goldman Sachs e Nomura, rebaixaram as previsões de crescimento econômico da China para 2022 para 3% ou menos, à medida que a onda de calor atinge centros industriais. 

Isso está muito abaixo da meta de crescimento de 5,5% que o governo chinês havia estabelecido no início deste ano. 

O maior foco da China continua sendo o crescimento da infraestrutura. Com o apoio do banco central, os bancos estatais de desenvolvimento podem emprestar US$ 44 bilhões para financiar projetos de infraestrutura, segundo o comunicado. 

Isso se soma aos US$ 161 bilhões já comprometidos em junho. Os governos locais também poderão emitir US$ 73 bilhões em dívidas para financiar a construção de estradas, ferrovias, aeroportos, moradias populares e projetos de energia. 

Isso além de 3,5 trilhões de yuans (US$ 511 bilhões) em títulos que eles receberam permissão para emitir para os mesmos fins no início deste ano. 

Li também pediu a todos os departamentos do governo que “façam um trabalho melhor” na luta contra a seca e na mitigação de seus impactos. 

Ele pediu que mais poços sejam perfurados e que mais fontes de água resistentes à seca sejam desenvolvidas, além da semeadura de nuvens, às quais a China recorreu no início deste mês para trazer mais chuvas ao rio Yangtze. 

“A prioridade deve ser dada para garantir a água potável das pessoas e para transportar e entregar a água quando necessário”, acrescentou Li. 

O governo central também retirará 10 bilhões de yuans (US$ 1,5 bilhão) de seu fundo de reserva para alívio da seca, concentrando-se em garantir a produção de arroz durante a principal colheita de arroz no meio da temporada na região sul. 

“[Devemos] fazer todo o possível para garantir água de irrigação agrícola e ajudar os agricultores a combater a seca e proteger suas colheitas de outono”, disse Li. 

O governo apoiará pesquisas sobre medidas para promover uma “colheita de amortecedores” para o arroz do final da temporada no outono, acrescentou. 

Os analistas não estavam otimistas sobre o impacto do novo estímulo econômico na economia. “Essas medidas podem ajudar a compensar a forte contração na receita do governo e apoiar o crescimento do investimento em infraestrutura até certo ponto nos próximos meses”, disseram analistas do Goldman Sachs em nota na quarta-feira. 

Mas eles ainda esperam que o crescimento geral permaneça lento durante o resto deste ano, “exceto grandes medidas de flexibilização da política”, já que um setor imobiliário “muito fraco” e os ventos contrários dos bloqueios do Covid continuarão a arrastar a economia. 

Problemas no setor imobiliário – que responde por até 30% do PIB da China e já sofria de uma crise de caixa prolongada – está exercendo uma pressão significativa. 

A crise aumentou desde que a desenvolvedora Evergrande deixou de pagar sua dívida no ano passado. Os preços dos imóveis vêm caindo, assim como as vendas de novas casas. 

Furiosos, compradores de casas em todo o país ameaçaram parar de pagar suas hipotecas de casas inacabadas, sacudindo os mercados e levando empresas e autoridades a tomar medidas para desarmar a crise. 

Os analistas do Nomura disseram que as novas medidas de estímulo não seriam uma “virada de jogo”. 

“A política de Covid-zero continua consumindo uma grande quantidade de recursos fiscais dos governos locais”, disseram eles, acrescentando que o setor imobiliário “ainda está com grandes problemas”.