Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

Nesta sexta-feira (17), a Comissão Europeia declarou, , apoio à designação da Ucrânia como Estado candidato à adesão à União Europeia. Segundo a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, o suporte está condicionado na realização de uma série de reformas no país.

Entre as mudanças exigidas, estão o fortalecimento do combate à corrupção, a garantia de legislação contra lavagem de dinheiro e a limitação da influência de oligarcas na política e economia.

“Na opinião da Comissão, a Ucrânia demonstrou claramente a aspiração e determinação do país em cumprir os padrões europeus”, afirmou von der Leyen em discurso.

Na avaliação da Comissão, o país está “bem avançado” no sentido de alcançar a estabilidade das instituições democráticas, o estado de direito, os direitos humanos e o respeito das minorias, além de manter bom histórico econômico e demonstrar resiliência e estabilidade financeira.

A Ucrânia apresentou seu pedido de adesão ao bloco quatro dias após o início da invasão russa. O país tem cobrado o auxílio diplomático, financeiro e militar das nações europeias no confronto com a Rússia. Nas redes sociais, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, celebrou a decisão.

“Elogio a conclusão positiva da Comissão Europeia sobre o status de candidato da Ucrânia. É o primeiro passo no caminho de adesão à UE que certamente nos deixará mais perto da vitória. Sou grato à Ursula von der Leyen e a cada membro da Comissão pela decisão histórica. Espero resultado positivo no Conselho Europeu na próxima semana”, afirmou.

Os líderes dos 27 membros da UE vão se reunir na próxima semana, nos dias 23 e 24 de junho, e devem discutir a opinião apresentada pela Comissão. Mesmo que a recomendação seja aprovada de forma unânime, o processo de adesão costuma demorar anos.

Na mesma sessão, a Comissão também recomendou a candidatura da Moldova para o bloco, mas rejeitou o mesmo status para a Geórgia. Segundo Olivér Várhelyi, representante do órgão, o país ainda deve realizar reformas para melhorar o funcionamento do livre mercado.


Paola Tito

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.