O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) informou nesta sexta-feira, 24, que mantém sua estimativa de aumento do valor adicionado (VA) da agropecuária, ou seja, do Produto Interno Bruto (PIB) do setor, em 2023, em 11,6%.

No estudo em que reforça a projeção, o Ipea lembra que o “elevado crescimento” deve ocorrer após queda da atividade econômica da agropecuária em 2022.

A projeção para o VA/PIB da produção vegetal segue sendo de alta de 14,2%, enquanto a da produção animal foi revisada, de alta de 1,6% anteriormente para avanço de 0,8% agora.

“A atualização dos pesos dos componentes do setor agropecuário após a divulgação dos resultados no ano passado e a compensação nas revisões das estimativas para 2023 por segmento na produção vegetal motivaram a manutenção da projeção para este ano”, explica o Ipea em nota.

De acordo com o Ipea, a participação da produção vegetal no indicador aumentou “significativamente” nos últimos anos e hoje corresponde a cerca de 80% do PIB agropecuário. “Sendo assim, a alta elevada da produção vegetal em 2023 passou a ser mais significativa do que os pesquisadores do Ipea José Ronaldo Souza Júnior e Pedro Garcia, autores do estudo, haviam previsto anteriormente, na nota nº 26 da Carta de Conjuntura nº 57”, informa o instituto no comunicado.

Considerando a produção vegetal, as novas estimativas para as produções de milho e café na safra 2023/24 compensaram a revisão para baixo na produção de soja e mantiveram a perspectiva de alta de 11,4% do PIB do setor. Para este ano, o Ipea considera previsão de crescimento de 21,3% da produção de soja, 10,2% de milho e 5,7% de café. As projeções para a produção de arroz e trigo, no entanto, são de queda de 6% e 13,8%, respectivamente, conforme o instituto.

O resultado previsto para o setor agropecuário em 2023 é condicionado, principalmente, à estimativa positiva para a soja”, diz o Ipea. O instituto pontua que, apesar da perspectiva positiva para a produção de Mato Grosso, a possibilidade de uma redução da safra de soja do Rio Grande do sul traz riscos de corte na estimativa de produção brasileira do grão em 2023.

Já em relação à produção animal, a revisão menos otimista do Ipea para 2023 é justificada por uma desaceleração no crescimento da produção de suínos e na manutenção do cenário adverso para a de leite. Por isso, houve revisão para baixo nos dois segmentos: suínos (crescimento de 5% para 2,2%) e produção de leite (alta de 1,3% para queda de 1,4%). Entre os demais produtos da pecuária, as projeções foram reajustadas para cima: bovinos, de 2,4% para 2,6%; aves, de 3,5% para 4,4%; e ovos, de 1,9% para 3,2%). O Ipea pondera que a possibilidade de um novo ano negativo para a produção leiteira merece atenção em 2023.

Em 2022, o PIB agropecuário recuou 1,7%, em virtude da quebra da safra de soja (produto com maior peso) e pela redução de 5,3% na produção de leite. A produção de soja caiu 11,4% no ano passado. Os outros quatro segmentos mais importantes da produção vegetal (milho, café, cana-de-açúcar e algodão) tiveram variações positivas, o que ajudou a compensar parcialmente o impacto negativo da soja.

Na produção animal, com exceção do leite, todos os segmentos cresceram em 2022, em especial os de bovinos e suínos, 6,9% e 5,5%, respectivamente.


Avatar

administrator