Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

O pré-candidato ao governo mineiro Alexandre Kalil (PSD) não acredita em movimentos de golpismo de Jair Bolsonaro (PL) caso o presidente da República perca a eleição nacional. Segundo o ex-prefeito de Belo Horizonte, Bolsonaro “não vai fazer bosta nenhuma” para atrapalhar a sucessão. As pesquisas sobre intenções de voto têm apontado vantagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“(Bolsonaro) não vai fazer nada. Vai fazer bosta nenhuma. Não faz nada. Grita no microfone e no cercadinho e faz cara feia. Vai fazer bosta nenhuma. Tentou fazer em 7 de setembro, deu com os burros n’água e guardou a viola no saco. Vai fazer nada”, disse Kalil, em entrevista à revista “Focus Brasil”.

A publicação é ligada à Fundação Perseu Abramo, pertencente ao PT. PSD e PT firmaram aliança em Minas Gerais. Assim, o palanque local dos partidos terá Lula e Kalil. Para o ex-prefeito de BH, aliás, “Lula já está eleito”.

“Temos que parar de pôr medo nesse povo. Nós vamos ganhar a eleição com voto, com urna eletrônica, com urna elétrica, com urna à válvula, com papel, com sinal de fumaça… A eleição já acabou, o Lula está eleito. É só o povo ir para a rua e votar. É isso que nós precisamos, chamar o povo e votar”, afirmou.

Bolsonaro já defendeu publicamente o voto impresso e, mesmo sem provas, põe em xeque a confiabilidade das urnas eletrônicas. Em maio do ano passado, o presidente chegou a falar que, sem voto impresso, não haveria eleição neste ano. Ele tem, também, atacado publicamente o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Zema ‘pior do que Bolsonaro’ e Moro

Durante a entrevista à Focus, Kalil voltou a tecer críticas ao governador Romeu Zema (Novo), que será seu rival no pleito estadual.

“Ele disse que não andaria de avião, mas está pendurado em avião a jato com dinheiro público e fazendo campanha há dois anos. Está pior do que o Bolsonaro. Aliás, ele aprendeu com o Bolsonaro. O Zema não entregou um metro de nada”, asseverou.

O pré-candidato do PSD também criticou o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (União Brasil). O ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos-PR) foi outro a ser citado negativamente.

“Eles (Moro e Deltan) fizeram um mal para o Brasil que nem o Bolsonaro fez. Bolsonaro pelo menos foi eleito dentro da legalidade, na urna eletrônica como deve ser, tomou posse como deve ser, e não fizeram esse papel absolutamente abominável, asqueroso que essa turma fez para o Brasil”, atacou.

Segundo Kalil, não é possível compará-los a Bolsonaro porque o presidente foi escolhido pela população.

“Esses que você falou aí nunca tiveram voto, não tiveram o direito de fazer o que fizeram. É o que entendo como sendo o que mais abominável já teve nesse país, tanto que (Moro) está tendo o fim que estamos vendo aí… O fim dele é praticamente melancólico. Ele conseguiu trair a mulher e a amante. É um caso inédito”.

 


Avatar

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.