O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mario Sarrubbo, aceitou o convite para compor a gestão do futuro ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, no governo Lula (PT). A informação foi confirmada pelo UOL com fontes que acompanham o trâmite.

Lewandowski havia sondado Sarrubbo para assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública na semana passada. O convite foi feito durante uma reunião entre os dois em São Paulo.

Membro do Ministério Público de São Paulo desde 1989, Sarrubbo é o atual procurador-geral de Justiça. Ele está na chefia do MP paulista desde 2020, quando foi indicado por João Doria, então governador de São Paulo.

Para assumir a secretaria de Segurança Pública, Sarrubbo deverá deixar o MP. Antes do convite para integrar o Ministério da Justiça, Sarrubo era cotado para o STJ (Superior Tribunal de Justiça), na vaga aberta com a aposentadoria da ministra Laurita Vaz.

Sarrubbo será o rosto do principal desafio de Lewandowski na pasta. O ex-ministro do Supremo deve assumir a Justiça após ser contra a recriação do Ministério da Segurança Pública, uma das áreas em que o governo petista tem sido criticado por pouco avanço.

Além de Sarrubbo, Lewandowski escolheu o advogado Manoel Carlos de Almeida Neto para ser o seu número 2.

Ex-secretário-geral do STF e do TSE durante a presidência de Lewandowski na Corte, ele substituirá Ricardo Cappelli, cujo futuro ainda é incerto no governo Lula.

Do quadro atual do Ministério da Justiça, Ricardo Lewandowski cogita manter ao menos um secretário, segundo apurou a colunista Carolina Brígido. A interlocutores, o futuro comandante da pasta afirmou que o deputado petista Wadih Damous, atual titular da Secretaria Nacional do Consumidor, deve ser mantido no cargo.


Avatar