O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quarta-feira (13), durante evento do G20 em Brasília, que “não convém” um mundo marcado por conflitos, protecionismos e destruição ambiental, pontos que podem gerar instabilidade geopolítica no planeta.

Lula deu a declaração durante um encontro com representantes dos países do G20, realizado no Palácio Itamaraty, em Brasília. O Brasil preside até novembro de 2024 o grupo formado por 19 países, mais União Europeia e União Africana.

“Não nos convém um mundo marcado pelo recrudescimento dos conflitos, pela crescente fragmentação, pela formação de blocos protecionistas e pela destruição ambiental. Suas consequências seriam imprevisíveis para a estabilidade geopolítica”, disse Lula.

O presidente voltou a abordar, como exemplo de conflito, a guerra no Oriente Médio entre Israel e o grupo terrorista Hamas. Lula reafirmou a necessidade da existência de dois Estados na região, um para israelenses e outro para palestinos.

“O Brasil segue de luto com o trágico conflito entre Israel e Palestina. A violação cotidiana do direito humanitário é chocante e resulta em milhares de civis inocentes, sobretudo mulheres e crianças. O Brasil continuará trabalhando por um cessar-fogo permanente que permita a entrada da ajuda humanitária em Gaza e pela libertação imediata de todos os reféns pelo Hamas”, afirmou.

Lula diz que não quer guerra na América do Sul

Eixos da gestão brasileira no G20

Lula declarou que, “sem ação coletiva”, as crises “podem multiplicar-se e aprofundar-se”. O combate às desigualdades é fundamental, na avaliação do presidente, para evitar que as crises se agravem. Por isso, a gestão brasileira à frente do G20 terá três eixos:

A inclusão social e o combate à fome e à pobreza

A promoção do desenvolvimento sustentável em suas dimensões social, econômica e ambiental e as transições energéticas
A reforma das instituições de governança global.

O presidente lembrou que criou no G20 uma “força-tarefa” contra a mudança do clima e voltou a apontar a necessidade de que investimentos em transição energética.

É preciso definir princípios básicos sobre o uso sustentável de recursos naturais para a geração de bens e serviços de alto valor agregado. O acesso a tecnologias é fundamental não só para uma transição energética justa, mas também no campo digital”, afirmou.

Lula criticou a dificuldade para que os países recebam recursos para financiar preservação ambiental e desenvolvimento sustentável e cobrou, mais uma vez, que instituições financeiras modifiquem suas políticas internas.

“Queremos encorajar instituições financeiras internacionais a cortarem sobretaxas, aumentarem o volume de recursos concessionais e criarem fórmulas para reduzir riscos. Precisamos de um regime mais equitativo de alocação de direitos especiais de saque. Hoje, os que mais precisam são os que menos recebem, o que agrava as desigualdades entre os países”, declarou.


Avatar

administrator