O ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), vai compartilhar provas obtidas pelo Supremo Tribunal Federal com a CPI dos Atos Antidemocráticos, conduzida pela Câmara Legislativa do Distrito Federal. A informação foi repassada pelo presidente da comissão, o deputado distrital Chico Vigilante (PT).

Moraes recebeu integrantes da CPI dos Atos Antidemocráticos para uma reunião de uma hora no TSE;

Os deputados pediram o compartilhamento de provas obtidas no inquérito do Supremo sobre os atos golpistas;

Em resposta, Moraes disse que vai compartilhar o que puder ser compartilhado, ou seja, provas que demandam sigilo não devem ser entregues aos deputados;

Ele designou um juiz auxiliar do gabinete dele para entrar em contato com nosso procurador. O que puder ser compartilhado, será compartilhado. O segredo absoluto não será compartilhado”, afirmou Chico Vigilante, presidente da CPI dos Atos Antidemocráticos.

Os deputados também afirmaram que devem insistir no depoimento de Anderson Torres, ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro (PL) e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal.

A oitiva foi liberada por Moraes, mas só ocorrerá se Torres quiser prestar depoimento. Até então, o ex-ministro se negou a ir à CPI.

Vamos insistir até conseguir que o Anderson Torres compareça para falar. A gente acha importante o comparecimento dele até porque queremos colher as contradições entre o depoimento que ele prestou ao Supremo, que ele prestou aqui ao TSE”, disse.

Questionado se a CPI planeja ouvir o ex-presidente, que retorna ao Brasl nesta quinta-feira (30), o deputado Chico Vigilante afirmou que uma oitiva de Bolsonaro não está nos planos da comissão neste momento.

“Nós não discutimos ainda na CPI, ninguém apresentou nenhum requerimento, portanto não vou colocar opinião”, disse Chico Vigilante, presidente da CPI dos Atos Antidemocráticos.


Avatar

administrator