Por Mauro Ferreira

Música que abre Balançado, segundo álbum autoral de Bruno Vinci, Percussivo é o primeiro dos dez inéditos temas instrumentais na disposição do repertório do disco gravado com produção musical do baixista Fi Maróstica e lançado em 1º de setembro pelo selo Atotô Label.

Percussivo abre o álbum Balançado em gravação que transita pelo congo de ouro – ritmo africano recorrente no Candomblé de Angola – antes de seguir a pisada do baião e terminar em bolero.

Curiosamente, Percussivo é também o título do primeiro álbum deste violonista e compositor, mineiro de Pouso Alegre (MG) residente na cidade de São Paulo (SP). É como se a faixa conectasse os dois álbuns autorais deste músico hábil no toque das sete cordas do violão.

Com os toques dos músicos Fernando Miranda (congas e percussão), Paulo Novais (bandolim e guitarrinha baiana) e Rafael Mota (bateria, zabumba e percussão), além das participações de instrumentistas como Ivan Melillo (flauta transversal) e Kiko Woiski (baixo), Bruno Vinci mostra a tal influência do jazz em Ainda sinto, cai no samba em Segura essa, segue a levada da rumba em Chorando em Cuba e pisa no território afro-baiano com Ijexá pra ela.

Na sequência do álbum Balançado, Vinci celebra o grupo carioca Pagode Jazz Sardinhas’, Club em Afro funk brazilian music, divide em cinco o tempo de Transgênico, homenageia o trio Ybiará na composição homônima, mixa funk com pop em Feeling e exprime gratidão na faixa final, Foi bom te ver.

A capa do álbum Balançado expõe arte de Tatiana Trad com design de Jorge Luiz Garcia.


Avatar

administrator