Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

Alexandre Silveira (PSD) lidera um dos cenários estimulados da corrida pela vaga no Senado por Minas Gerais. Quando associado aos aliados Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à presidência da República, e Alexandre Kalil (PSD), que tenta o governo mineiro, Silveira tem 26,5%. O dado compõe pesquisa do Instituto F5 Atualiza Dados, divulgada nesta sexta-feira (29/7) com exclusividade pelo jornal.

A segunda colocação é do deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PL), que, apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e pelo correligionário Carlos Viana, pré-candidato ao governo, soma 17,8%.

No recorte que atrela os postulantes ao Senado a lideranças estaduais e nacionais, a terceira colocação fica com o deputado estadual Cleitinho Azevedo (PSC). Apresentado como candidato independente, ele soma 9,9%. Em seguida, vem a professora Sara Azevedo, do Psol, com 3,1%. Ela também é independente.

O deputado federal Marcelo Aro (PP), quando relacionado ao governador Romeu Zema (Novo), seu principal aliado, e ao presidenciável Felipe d’Avila (Novo), consegue 1,7%. Dirlene Marques (PSTU) tem 1% – ela é associada às colegas de partido Vera Lúcia e Vanessa Portugal, que vão concorrer aos palácios do Planalto e Tiradentes, respectivamente.

O levantamento registra, ainda, 23,3% de indecisos. Possíveis votos em branco ou nulos são 16,1%; 0,6% dos participantes da sondagem não responderam.

‘Apadrinhamento’

Para Domilson Coelho, diretor-executivo do Instituto F5, a liderança de Silveira no cenário em que ele é associado a Lula e a Kalil se explica, sobretudo, pelo bom desempenho do petista nas pesquisas sobre o voto presidencial dos mineiros. “Esse apadrinhamento político com, certeza, vai refletir na eleição”, diz.

Segundo o especialista, ainda há certo desconhecimento da população quanto aos candidatos e pré-candidatos a senador. As propagandas eleitorais no rádio e na televisão, previstas para iniciar em 26 de agosto, devem alterar paulatinamente o retrato.

“A partir do momento em que eles se tornarem conhecidos, vão mostrar os padrinhos políticos. O poder de fogo de cada um estará baseado nisso”, afirma Domilson. “Quem mais tem condição de crescer é Alexandre Silveira, seguido de Marcelo Álvaro”, emenda, citando, também, boas perspectivas para Marcelo Aro. “Ele conta com o apoio de Zema – que tem grande aceitação”.

Outro cenário tem Cleitinho na ponta

No cenário estimulado tradicional, em que uma lista de potenciais postulantes é dada aos participantes, mas sem a associação a candidatos a outros cargos, a liderança é de Cleitinho Azevedo, com 12,7%. A vantagem dele para o vice-líder, Alexandre Silveira, que tem 9,2%, está acima da margem de erro de 2,5 pontos da coleta.

Em seguida, com 3%, aparece Sara Azevedo, tecnicamente empatada com Marcelo Álvaro Antônio (1,8%), Marcelo Aro (1,7%) e Dirlene Marques (1%). Nessa configuração, os indecisos chegam a 44,2% do total, e brancos/nulos são 25,1%. Outros 1,3% não responderam.

A pesquisa divulgada hoje contempla apenas os postulantes que já tiveram suas candidaturas confirmadas, como Silveira e Dirlene, e as pré-candidaturas divulgadas pelas legendas, como as de Álvaro Antônio e Marcelo Aro.

Por isso, Aécio Neves (PSDB) e Paulo Piau (MDB), não foram citados. Não houve tempo para as inclusões de Bruno Miranda (PDT), tratado oficialmente como pré-candidato no início desta semana, e do pastor Altamiro Alves (PTB), anunciado após a montagem do questionário. (Leia mais sobre a situação de Aécio ainda neste texto).

Indecisão predomina na pesquisa estimulada

O levantamento também contempla o recorte espontâneo, em que os eleitores podem mencionar livremente o nome que pretendem escolher para o Senado em 2 de outubro. Nesse cenário, a indecisão chega a 74%, mas a liderança é, de novo, de Cleitinho, com 6,4%.

Atrás dele, está Silveira, que dispõe de 3,1%. Embora ainda tenha dúvidas sobre seu futuro político, Aécio Neves foi citado por 0,7% dos participantes.

Álvaro Antônio, por sua vez, conseguiu 0,4% das lembranças. Nomeados, também, Marcelo Aro (0,2%), Paulo Piau (0,1%) e a deputada federal Greyce Elias, do Avante (0,1%). Mesmo Antonio Anastasia, que exercia mandato de senador pelo PSD até os primeiros dias deste ano, mas agora ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), obteve 0,1%. Na cena espontânea, foram identificados 12,5% de potenciais brancos/nulos e 2,4% de abstenções.

Para construir os três cenários simulados neste texto, os entrevistadores do Instituto F5 Atualiza Dados ouviram, presencialmente, 1.625 eleitores entre os dias 25 e 28 de julho. O nível de confiança dos resultados é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob os números MG-09704/2022 e BR-05714-2022.

Aécio avalia futuro

Ontem, Aécio recorreu ao Instagram para estipular um prazo sobre o anúncio de suas pretensões no pleito deste ano. A ideia do deputado tucano é divulgar os rumos que tomará na quinta-feira da próxima semana (4).

Apesar do bom desempenho em outros levantamentos eleitorais a respeito do Senado, o ex-governador mineiro (2003-2010) disse ainda não ter resposta sobre a possibilidade de tentar retornar à Câmara Alta do Congresso Nacional.

“Claro que vejo essas manifestações que tenho recebido no estado inteiro em apoio à minha candidatura ao Senado. As pesquisas com uma distância muito grande na frente, nas avaliações que são feitas. Vejo como um reconhecimento a tudo que fizemos em Minas ao longo de todos esses anos”, falou.

“Estou conversando com muita gente, avaliando o que é melhor para nós. Essa pergunta (sobre disputar o Senado), vou responder em primeira mão no meu Instagram na quinta-feira da próxima semana”, assegurou Aécio.


Paola Tito

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.