“Mulheres e meninas pobres pertencem a grupos étnicos, raciais e indígenas minoritários… são mais propensos a morrer porque não têm acesso a cuidados de saúde oportunos.” Esta foi uma das principais conclusões publicadas hoje no último Relatório sobre o Estado da População Mundial.

Lançado todos os anos desde 1978 pelo Fundo de População das Nações Unidas (FNUAP), o relatório de 172 páginas de 2024 celebra avanços na saúde sexual e reprodutiva desde uma reunião seminal de líderes mundiais no Cairo há 30 anos, mas seus autores dizem que essas conquistas estão sendo “marcada por uma verdade cruel – milhões de mulheres e meninas não se beneficiaram por causa de quem são ou onde nasceram”.

O relatório acompanha o progresso em várias áreas, incluindo taxas de gravidez na adolescência, taxas de infecção por HIV, legislação sobre violência doméstica e acesso de mulheres e meninas à contracepção. Mas alguns de seus achados mais perturbadores dizem respeito à mortalidade materna, que se refere a mortes durante e após a gravidez e o parto.

“Houve redução zero na mortalidade materna desde 2016”, afirma o relatório, acrescentando que “em um número alarmante de países, as taxas estão aumentando.”

O Reino Unido e os EUA são dois desses países. O relatório os coloca em um grupo de apenas 19 países ao redor do mundo que são “estimados para ter uma maior taxa de mortalidade materna (o número de mortes maternas por 100.000 nascidos vivos) em 2020 do que em 1990.”

Em ambos os países, as mulheres negras e as mulheres mais pobres são as mais propensas a morrer. Nos EUA, as mulheres hispânicas também têm um risco maior de mortalidade materna do que a média nacional.

Em todas as partes do mundo, vários fatores além da raça e etnia também entram em jogo, como classe, status de imigração, orientação sexual, identidade de gênero e status de deficiência. Conflitos e crises humanitárias também resultam em quase 500 mortes maternas evitáveis por dia. E, além das desigualdades dentro dos países, as desigualdades entre os países persistem e são gritantes.

“Uma mulher africana que experimenta complicações de gravidez e parto tem cerca de 130 vezes mais chances de morrer do que uma mulher na Europa e na América do Norte”, aponta o FNUAP.

Os autores do relatório são inequívocos sobre as causas profundas de todas essas mortes.

Em uma coletiva de imprensa realizada antes do lançamento do relatório de 2024, a diretora executiva do FNUAP, Natalia Kanem, falou de sistemas de saúde fracos que são “contaminados pela desigualdade de gênero, discriminação racial e desinformação.

O ex-diretor da ONU, Dr. Mahmoud Fathalla, foi ainda mais condenatório, dizendo no relatório: “As mães não estão morrendo por causa de doenças que não podemos tratar. Eles estão morrendo porque as sociedades ainda têm que tomar a decisão de que suas vidas valem a pena salvar.”

 

Kanem, em seu prefácio, pede “saúde abrangente, universal e inclusiva, baseada em direitos humanos e evidências do que funciona” e o relatório continua a destacar quatro maneiras concretas de melhorar as coisas, incluindo melhorar o acesso a “serviços de saúde materna acessíveis e de qualidade.”

“Esse trabalho é de vital importância, é justo e possível”, diz Kanem.


Avatar

administrator