A revista britânica The Economist publicou um vídeo no sábado (15), em seu canal no YouTube, sobre “a duradoura ameaça de Bolsonaro”. A publicação chama o presidente Jair Bolsonaro (PL) de “Trump dos Trópicos” e diz que o brasileiro “minou a democracia, acumulou divisão e inspirou devoção de seus seguidores”.

No vídeo de pouco mais de 12 minutos, a revista fala do apelo de Bolsonaro, de seu poder no Congresso, de como ele teria enfraquecido a democracia, do lobby no setor de armas e o impacto de sua gestão para o meio ambiente.

Também fala que Bolsonaro supervisionou uma resposta “desastrosa à covid-19”. Ainda assim, “superou as expectativas no 1º turno da eleição presidencial”. Segundo a The Economist, ganhando ou perdendo no 2º turno, “seu movimento popular não vai embora”.

A publicação diz que Bolsonaro, ao vencer em 2018, “deu um megafone” ao crescente movimento de conservadores no Brasil. O presidente é descrito como “um mestre das mídias sociais com milhões de seguidores”. Conforme a revista, Bolsonaro “inspirou devoção entre aqueles que acreditam” quando ele diz que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é um “bandido” que pode ter um “pacto com o diabo”.

A publicação afirma que Bolsonaro controla parte significativa do Congresso. Diz que uma de suas bandeiras é a sua polícia armamentista e que, desde que Bolsonaro assumiu, o número de armas em circulação cresceu de forma significativa.

A revista entrevistou o deputado Capitão Augusto, do PL –partido de Bolsonaro. O político diz que o presidente quer “diferenciar o bandido do cidadão de bem”. Por isso, as “instituições policiais estão” com o chefe do Executivo e os integrantes das Forças Armadas votam em Bolsonaro.

De acordo com a publicação, Bolsonaro e seus aliados tentam vender ao mundo uma imagem de que ele é “protetor do meio ambiente”, mas “as evidências de sua presidência contam uma história diferente”.

As taxas de desmatamento no Brasil aumentaram durante a presidência de Bolsonaro, sua recusa em fazer cumprir a lei ajudou a aproximar partes da Amazônia do que alguns cientistas temem que possa ser um ponto de inflexão onde a floresta tropical se transforma em pastagens secas”, ouve-se no vídeo.

A revista fala também que Bolsonaro “trouxe religião para a política”. Ainda, que ele convenceu seus apoiadores de que “ele representa a vontade autêntica do povo”. Conforme a publicação, quando a Justiça dá alguma decisão contra o presidente, ele “sugere que ela é tendenciosa”.

Quando a mídia o critica, Bolsonaro diz que são fake news. “Muitos de seus apoiadores agora acreditam que qualquer instituição que esteja em seu caminho é perversa e deve ser desafiada”, diz a revista.

Se Bolsonaro ganhar, ele vai ser encorajado a atacar as instituições brasileiras ainda mais, pois seus apoiadores parecem preparados para a vitória”, declara a publicação. “Bolsonaro fortemente deu a entender que não vai aceitar o resultado se perder e muitos de seus apoiadores, bem armados, vão acreditar se ele gritar ‘fraude‘.”

A revista afirma que alguns dos apoiadores de Bolsonaro “podem recorrer à violência” e não se sabe se os militares “os vão parar”, já que muitos são bolsonaristas.

Se Bolsonaro perder, ele pode continuar liderando um movimento de pessoas que pensam que ele é o presidente legítimo. Isso não é bom para a estabilidade no Brasil, assim como não o é a possibilidade muito real de que um dia ele volte.”


Avatar