Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) convocou os ministros Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União (CGU), Bruno Bianco, da Advocacia-Geral da União (AGU), e Paulo Sérgio Nogueira, da Defesa, para questionar a participação deles no evento golpista de Jair Bolsonaro (PL), que se reuniu com embaixadores internacionais para pôr em xeque a integridade do sistema eleitoral brasileiro ao afirmar que urnas eletrônicas podem ser fraudadas.

No requerimento, obtido pelo Novojornal, apresentado à Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, Correia afirma que busca “esclarecer as atividades institucionais dos ministérios que se caracterizam como desvio de finalidade a medida em que dão suporte a questionamentos infundados, já devidamente esclarecidos e sem qualquer indício de prova perpetrados pelo Presidente da República Jair Messias Bolsonaro, em relação à contestação das urnas eletrônicas e suspeição de fraudes nas futuras eleições, provocando instabilidade institucional em mais uma ameaça golpista.”

O deputado mencionou reportagem do Estadão, publicada nesta quinta-feira (21), que descreve como as estruturas da CGU e AGU foram aparelhadas para dar respaldo material e jurídico para a tese golpista de Bolsonaro. Segundo a matéria: “Rosário cadastrou uma equipe de oito auditores para participar do processo na condição de órgão fiscalizador das eleições. (…) Em agosto do ano passado, a AGU enviou parecer ao STF em uma ação na qual a Rede pedia que a Corte cobrasse do presidente as supostas provas de fraude no pleito de 2018. (…) Segundo o órgão, o partido quis ‘impor uma verdadeira censura ao direito fundamental da livre expressão do pensamento do cidadão Jair Bolsonaro.’”

Rogério Correia também comentou a atuação de Nogueira, que, segundo o deputado, tem “promovido e corroborado a tese de insegurança das urnas eletrônicas e prometido promover apuração paralela das eleições, em total descompasso com a sua função atribuída constitucionalmente.”


Avatar

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.