Informações de Contato

Belo Horizonte - MG

Atendimento

Por Joana Cunha

A indústria de eletrônicos amanheceu preocupada na quinta-feira (24) com o impacto que a invasão da Ucrânia pela Rússia pode levar aos negócios do setor no Brasil.

“Dependendo do tempo que essa crise permaneça, podemos ter dificuldades, porque há matérias-primas fundamentais usadas na produção dos semicondutores que têm origem justamente entre Rússia e Ucrânia”, afirma Humberto Barbato, presidente da Abinee (associação da indústria elétrica e eletrônica).

A previsão, segundo ele, é que haja estoques para três a seis meses.

O mercado já vem castigado por causa da crise na cadeia global de chips semicondutores e, mais recentemente, pelo gargalo da operação-padrão de fiscais da Receita Federal.

“Estamos preocupados e esperamos que esse problema não persista por um período muito largo. Já tem uma crise. Imagine se ainda faltarem matérias-primas em função de uma guerra”, diz Barbato.

Outro setor sensível a escassez de chips, o automotivo também olha as previsões com cautela. Segundo a Anfavea (associação das montadoras), ainda não é possível avaliar implicações específicas na cadeia.

Fonte: Folhapress


Avatar

editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.